Arquivo mensal: abril 2012

O maior desafio para a Igreja não é aprender a usar a web para evangelizar, mas sim viver e pensar bem – até mesmo a fé – no tempo da rede”.

Vatican Insider

Hoje, o maior desafio para a Igreja não é aprender a usar a web para evangelizar, mas sim viver e pensar bem – até mesmo a fé – no tempo da rede”, afirma aos microfones da Rádio do Vaticano o padre Antonio Spadaro, diretor da revista Civiltà Cattolica e autor de cyberteologia, um livro publicado pela editora Vita e Pensiero. Leia o resto deste post

Reflexão do 4º domingo da Páscoa

BONS E MAUS PASTORES
Jesus se apresenta, no evangelho deste domingo, como o bom pastor. Ora, se há o bom pastor, pode haver também o mau pastor. De fato, encontramos na comunidade e na sociedade bons e maus pastores. Quem é bom e quem é mau pastor?
Jesus é o bom pastor porque conhece seu povo e o povo o conhece. Conhecer, em sentido bíblico, é mais do que apenas a visão intelectual: é uma consciência que cria comunhão de vida, relação pessoal de amor e amizade. Conhecer de verdade as pessoas (ovelhas) implica disposição para pagar o preço de se pôr a seu serviço.
Jesus é o bom pastor porque dá a vida para que o povo a tenha em plenitude. Toda a prática de Jesus foi em favor da vida do povo e dos mais sofridos e abandonados da sociedade. Seu amor para com essas pessoas foi tão grande, que chegou a se sacrificar por elas. Quem ama de verdade é capaz de se doar pela vida do amado, não conhece limites e não foge diante do perigo.
Jesus é o bom pastor porque se preocupa com todos e não apenas com um pequeno grupo. Em muitos momentos ele diz que veio também para outros povos. Jesus não é exclusividade de um único povo. Sua proposta de vida é para todas as pessoas e para todos os povos.
Estão aí três razões que nos falam das características do bom pastor. Todo aquele que se propõe ser bom pastor ou bom dirigente do povo deve buscar em Jesus o modelo.
Infelizmente encontramos também maus pastores ou maus administradores em nossas comunidades e na sociedade. São os mercenários, que se preocupam apenas consigo mesmos; não têm interesse pela vida do povo; buscam o próprio proveito; nas dificuldades, jamais aceitam se sacrificar. O mercenário está interessado no salário e no lucro, e não na vida das ovelhas. Ele instrumentaliza as pessoas para o bem de si mesmo – as vê e valoriza enquanto lhe são “úteis”.
Pe. Nilo Luza, ssp

Pastoral da Juventude de SC realiza Pós-missão Jovem

pj_sul4_pos_missao

Nos dias 21 e 22 de abril, na Paróquia São Domingos de Gusmão, Navegantes, Diocese de Blumenau, a Pastoral da Juventude de Santa Catarina realizou a pós-missão jovem, resultante do processo da 3ª Missão Jovem regional, que encerra o ciclo iniciado em 2011, quando aconteceu a pré-missão e também a Missão Jovem regional, que reuniu mais de 300 jovens em todo o seu processo.

A volta, o contato com as famílias foi percebido com muito carinho por todas as comunidades da paróquia, de modo que se criam boas perspectivas na continuidade do trabalho de evangelização da juventude e na animação da vida da comunidade.

Para Maurício Marchi, líder missionário na comunidade São Paulo Apóstolo, pela Diocese de Rio do Sul, ”Depois da missão, as lideranças se sentiram fortalecidas e animadas, pois a mesma trouxe um novo ânimo, um novo vigor para continuar no trabalho com a juventude, bem como fortaleceu para todos nós que podemos contribuir com a comunidade, com os jovens e conosco mesmo”.

O sentimento de alegria e de que o processo missionário se deu como importante forma de fortalecimento da vida da comunidade também pode ser sentido pelos jovens e lideranças das comunidades que estiveram diretamente envolvidas com o processo da missão jovem. “A missão significou uma transformação, os jovens levaram uma palavra de forma ousada como os jovens podem fazer e que trouxe muitos frutos para nossa comunidade. Esperamos que outros jovens também possam voltar a participar, bem como outras pessoas conheçam esse jeito de ser e de trabalhar da juventude, um alicerce que queremos ver crescer cada vez mais”, lembra Kamylla Arantes, jovem líder missionária e moradora da comunidade Nossa Senhora do Rosário.

Neste final de semana de pós-missão, os jovens líderes missionários/as de cada comunidade da paróquia voltaram as comunidades em que estiveram presentes no ano passado, conversando com as lideranças, visitando os grupos de jovens e participando das celebrações com toda a comunidade, bem como refletindo “a missão da Pastoral da Juventude”, que contou com a assessoria de Rodrigo da Silva, da Comissão Regional de Assessores/as da PJ (CRAPJ) e Ana Karla Alves, da Diocese de Joinville e do projeto Mística e Construção.

Elizabeth da Costa (Beth), coordenadora da PJ da Diocese de Blumenau e membro da coordenação da 3ª Missão Jovem avalia: ”Essa missão jovem foi muito importante porque nos fortaleceu e animou e nos mostrou que somos capazes de nos animar, seguir em frente e nos organizamos, e agora, que não acabou a missão, mas que acabou o processo da terceira pós-missão, esperamos que possamos continuar sendo missionários nos nossos grupos de jovens, na Diocese e nas nossas comunidades”.

Mais fotos neste link.

Cajazeiras se despede de Padre Levi

Falecido na noite de quinta-feira, 26, na UTI do Hospital Regional de Cajazeiras, Padre Levi Rodrigues, 85 anos, incardinado da Diocese de Patos, mas residia em Cajazeiras nos últimos anos.Seu corpo foi velado ontem, 27, na Igreja Matriz da Sagrada Família em Cajazeiras, onde foi celebrada uma missa presidida pelo Vigário Geral, Padre Agripino e concelebrada por demais padres da Diocese de Cajazeiras. Mas tarde, o corpo foi transladado à Fazenda Santa Rosa no município de São José de Piranhas, local onde o Padre Levi residia. Também lá foi celebrado um missa com os padres: Agripino, Nicodemos, Antônio Luiz, Josinaldo e padre Neto.Depois das homenagens feitas pelos amigos e familiares do padre, seu corpo foi transladado para a Diocese de Patos, onde hoje dia 28 será sepultado.