É possível namorar sem “fazer sexo” antes do casamento?

Nos dias de hoje é muito difícil passarmos um único dia sem visualizar, pelo menos, uma cena que ative nossos instintos sexuais. Não precisamos nem ter a iniciativa de buscar, acaba sendo involuntário, pois, tudo está muito exposto. Ao passarmos pela banca de revistas, nos outdoors, nas mídias sociais e na TV, existe um universo de estímulos para quem quer e quem não quer ver.
Parece que tudo, o comercio, a cultura, o entretenimento, etc, usam do artifício do ‘sexo’ para promover desenvolvimento. Nossas danças, o jeito do nosso povo, nossas brincadeiras, desde as propagandas de cerveja, até o anuncio que ensina “como dar más notícias ao esposo” tudo gira em torno do corpo e do prazer.
São tantas “mulheres frutas” e homens “sonho de consumo” que fica quase impossível não projetarmos tais figuras em quem está ou entra em nosso círculo de amizades.
É tanta gente condicionada, movida a apelos sensuais, que fica fácil encontrar alguém para  trocar afetos e logo levar para cama.

Com tantas imposições exteriores e com nosso ser, nosso humano, tendo uma pré disposição da natureza em buscar o ato sexual, é possível que um casal atravesse o período de namoro – estando próximos o bastante para sentir o calor um do outro – mas, mantendo a pureza e guardando-se até o dia do casamento?

Com certeza não será fácil!

Contudo, penso que exatamente na castidade está a ‘alma’ e a ‘grande expressão’ do amor doação. Onde se faz a comunicação, através de gestos que significam e dizem: “Ao invés de buscar o meu anseio, meu próprio querer, minhas tendências de prazer, eu, antes estou optando por lhe fazer o bem, em te amar, lhe conhecendo e querendo identificar-me a ti”.

Deixar-se levar pelas ladeiras dos incentivos carnais e imposição de mentalidades fúteis é muito fácil. Desafiador e compensador mesmo, é investir em “Um Amor Maior” a tudo o que se vê.
Será uma decisão que teremos que tomar. Ou escolhemos por um relacionamento condicionado ao prazer, daí então, será quase que improvável chegar-se a propósitos mais elevados, ou deixamos que a graça da castidade formate em nós o domínio de si e a verdadeira intimidade e com a pessoa amada.
Muito mais que a sensação carnal o que preencherá o nosso coração será a alegria de fazer o bem, conhecendo a pessoa no seu todo. Necessitamos de intimidade e não de sexo fora do tempo.

Quantos, que mesmo tendo toda satisfação sexual, não entram em seus quartos sozinhos e sentem um vazio interior? Poucos serão os jovens que iniciando essa prática no seu namoro, não irão testemunhar depois que seu relacionamento praticamente gira em torno do encontro para o sexo.
O prazer a todo custo gera egoismo, o egoismo gera indiferença, a indiferença gera a maldade e a maldade gera violência. Quem nunca ouviu uma palavra de escárnio por parte de ex namorados que tiveram relação sexual? Isso também não é um dos níveis de agressão?

Realmente será uma luta, viver a castidade neste mundo tão marcado pela quase obrigatoriedade de gozo. Fujamos dos incentivos visuais e sensoriais e dos momentos de maior vulnerabilidade. Se a coisa começar a esquentar, vá para a presença de outras pessoas ou corra para a sua casa. Vigie!

Além da nossa decisão, existe em nós uma força que viabiliza a castidade. É a graça do Espírito Santo que vem pela Palavra de Deus. Uma juventude convencida da beleza da castidade, que luta com afinco pela santidade e embuídos do conhecimento da Sagrada Escritura, lutará e conseguirá manter a pureza, em vista do bem por si mesmo, por amor a pessoa amada e principalmente pelo amor ao Senhor.

“Como um jovem manterá pura a sua vida? Sendo fiel às vossas palavras” (Sl 118, 9).

Não estamos sozinhos nessa empreitada.
Rezo pedindo a benção de Deus sobre todos os casais, que a assistência do Altíssimo venha sobre a necessidade do seu namoro. A bondade Dele caminha ao nosso lado e está presente em meio aos apaixonados, entrepondo-se como Pessoa que une e alimenta de virtudes a união.

Deus abençoe!

Sandro Arquejada. Membro consagrado na Comunidade Canção Nova, paulista, natural de Sto André, formado em Administração pela Faculdade Salesiana de Lins/SP, autor do Livro a ser lançado pela @editoracn “Maria, humana como nós” e de diversos artigos para o Portal Canção Nova, além de mídias seculares.

twitter: @sandroacn

Facebook: Sandro Arquejada

Anúncios

Publicado em 10 de julho de 2012, em FORMAÇÕES e marcado como , . Adicione o link aos favoritos. Deixe um comentário.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s