Arquivo diário: 12 de agosto de 2012

Semana Nacional da Família 2012

A Semana Nacional da Família faz parte do calendário das paróquias do Brasil. Com início em 1992 como resposta à inquietação, ao descontentamento e desejo de se fazer alguma coisa em defesa e promoção da família, a semana seguinte ao dia dos pais, no mês de agosto, por ser o mês vocacional, é celebrada a Semana Nacional da Família.
O Papa Bento XVI, em sua oração no Discurso Inaugural da V Conferência em Aparecida (2007), rezou pedindo para que as nossas famílias “continuem a ser berços onde nasce a vida humana abundante e generosamente, onde se acolhe, se ama, se respeite a vida desde a sua concepção até ao seu fim natural”.
O Documento de Aparecida, (n.302), quando fala de alguns lugares de formação de discípulos missionários, menciona “a família como primeira escola da fé, o lugar e a escola de comunhão, fonte de valores humanos e cívicos, lar onde a vida humana nasce e se acolhe generosa e responsavelmente”.

Na Paróquia de Nossa Senhora da Conceição de Itaporanga a abertura se deu ontem com a Santa missa, e durante a semana haverá celebrações nos bairros e setores rurais. o enerramento será dia 18/08  com a celebração da Santa Missa às 19h na Praça da Igreja Matriz.

Mensagem do Dia dos Pais

Muito Obrigado Papai
Eu tirei seu sono,
fiz você sorrir,
e aprontei bastante.

Mesmo assim você contou histórias pra eu dormir.
Às vezes perto,
às vezes longe,
mas sempre preocupado.

Por tudo isso, papai, Muito Obrigado

Feliz Dia dos Pais!!!

a todos os Pais de Itaporanga.

Reflexão do Evangelho do 19º DOMINGO COMUM

  AS VITAMINAS DA CAMINHADA

Ao longo de nossa caminhada, há momentos em que somos fortemente tentados a jogar-nos debaixo de uma árvore frondosa e deixar que o mundo se dane.
Queimadas as reservas da energia e esvaziado o depósito da paciência, parece-nos ter chegado a hora de reviver em nossa história pessoal o drama do profeta Elias: “Agora, Senhor, já chega”.
Mas, enquanto a fé e a esperança continuarem frequentando nosso coração e brilhando em nosso horizonte, iremos descobrindo que os motivos de nossa corrida terão sentido e validade. A meta pode estar longe, mas é bem visível a olho nu. Os meios para alcançá-la são mais que suficientes e estão sempre à nossa disposição.
Contudo, será que nossa caminhada para Deus precisa de meios poderosos? O amor não precisa desses meios: ele é forte por si mesmo, é luminoso por si mesmo, é todo-poderoso por si mesmo e basta a si mesmo.
Um pão assado e um jarro de água pura – este nutriente elementar – é tudo de quanto precisamos para nossa viagem. Basta lembrar que, para nós, eles simbolizam a palavra do evangelho e o sacramento da eucaristia.
Além disso, no fim da linha, há uma verdade que não podemos ignorar: alguém está à nossa espera. Essa certeza, pobre e gloriosa ao mesmo tempo, é a certeza da fé.
Quer dizer que nós não caminhamos rumo ao desconhecido; não andamos rumo ao nada eterno; não buscamos uma pátria imaginária ou um reino inexistente. Bem sabemos que vamos aportar nos braços do Pai, no reino do amor e da felicidade.
Tudo isso nos será possível graças às vitaminas e às energias contidas no alimento da caminhada: aquele pão e aquele vinho, que são o Corpo e o Sangue do Filho amado de Deus.

Pe. Virgílio, ssp