Itaporanga está de luto! Morre Tia Laura a Fundadora do Instituto Educacional Santa Mônica

32163_398704276879774_1726993695_nFaleceu na madruga de hoje (11) uma das maiores educadoras que Itaporanga já teve. A professora Laura Araújo, conhecida carinhosamente por todos como Tia Laura. O seu sepultamento será às 16h, o cortejo sairá de sua residência na Praça Frei Martinho ao lado da Igreja Matriz.

A obra educacional de Laura Araújolaura_rarujo

fonte: jornal folha do vale

A história da professora Laura Araújo e a história da educação de Itaporanga durante quase todo o século vinte mostram-se tão intrínsecas que, ao repórter, parece impossível falar de uma e não tratar da outra. Ambas se reclamam e se unem de tal forma que se torna ingênua e vã a tentativa redacional de separá-las.Grande parte dos itaporanguenses e boaventurenses alfabetizados e instruídos nas últimas cinco décadas do século anterior passaram pelas mãos, ou melhor, pela palmatória de Laura Araújo. “Eu sempre fui rígida com meus alunos, mas também sabia agradá-los e discipliná-los, e meu método sempre foi eficaz para fazer o aluno aprender ler rápido”, comenta sorridente a professora, que no dia 15 de novembro próximo fará 79 anos, mas a lucidez e o carisma não envelhecem no rosto da educadora.Filha da dona de casa Alexandrina Araújo e do agricultor Adauto Antônio Araújo, um dos primeiros presidentes da Câmara Municipal de Itaporanga e que dá nome ao legislativo, Tia Laura, como era tratada pelos seus alunos, nasceu em Serra Branca, hoje município de Santana dos Garrotes e “foi lá onde eu conheci as letras, com o professor Miguel Madeiro, e não era fácil conseguir professor naquele tempo, mas meu pai, apesar de ser um homem analfabeto, sempre deu oportunidade aos filhos para estudar, e dizia: eu sou analfabeto, mas vou deixar o meu nome; façam também o nome de vocês”.Laura Araújo seguiu à risca o conselho do pai e cravou seu nome na história da educação de Itaporanga, mas precisou vencer muitas batalhas para alcançar tudo o que conquistou em um tempo em que o ensino era um privilégio de poucos, mas, ao mesmo tempo, um desafio que poucos conseguiam vencer, mesmo os mais abastados. Ela chegou à cidade com oito anos e no momento em que Itaporanga ganhava sua primeira grande escola pública: o Dom Vital, hoje Semeão Leal. Foi uma feliz coincidência, mas não a única: quando deixou o Semeão foi o tempo em que nascia o Padre Diniz, a primeira escola secundária do município e uma das primeiras de todo o interior paraibano.

A escola chegou por obra das Irmães Missionárias Carmelitas no final da década de 40 com o objetivo de formar professoras dada a carência de educadores, naquela época, nesta região. Na foto da primeira turma de normalista de Itaporanga, diplomada em dezembro de1949, aparecem 17 rostos femininos em preto e branco: um deles é o de Laura Araújo. Ela se emociona ao falar desse tempo pela lembrança de algumas de suas amigas e companheiras de formatura, entre as quais Adália Nitão, Emília Brasilino e Maria Nazaré Lima, falecida este ano: “Nazaré foi uma grande professora e muito minha amiga: eu senti muito sua morte”.

A missão de educar

Depois de formada, a professora Laura passou a dar aula particular: montou uma escola onde hoje é o prédio da Telemar/Oi e encaminhou à educação centenas de itaporanguenses. Depois foi contratada pela Prefeitura de Boa Ventura para dar aula no sítio Nazaré, onde lecionou durante uma década.

Eram 120 alunos e eu dava conta de tudo sozinha: eu recebia crianças e jovens de todo canto e muitos vinham de sítios distantes e até de outros municípios, como Diamante”, comenta a professora, que, posteriormente, passou a trabalhar pelo Estado e voltou a Itaporanga, onde lecionou no grupo Lindolfo Ramalho.

A aposentadoria não foi o fim de sua trajetória educacional, mas o começo da concretização de um sonho: em 1981 fundou o Instituto Educacional Santa Mônica. O nome que deu à escola é uma homenagem à santa de sua devoção e ao clube de mães que presidiu durante muito tempo e que tinha a mesma denominação.

Laura Araújo lecionou em seu instituto até 87. Deixou a sala de aula, mas não a escola, que é dirigida por duas filhas (Verônica e Ritinha). “Essa escola é minha grande realização de vida, é um orgulho para mim, porque educação é uma fonte santa”, enfatiza. E para amenizar a saudade do tempo em que dava aula, de vez em quando ela entra em uma sala para aconselhar os alunos e rezar com eles. Sua casa fica dentro da escola e esse contato diário com a criançada é para “vovó Laura” um grande prazer: “É a melhor felicidade da vida”.

Educadora por vocação

Viúva há 16 anos do agricultor Manoel Sabino de Araújo, Laura Araújo teve cinco filhos: um homem e quatro mulheres, três das quais seguiram os passos profissionais da mãe. “Mas eu queria era que todos fossem professores”, diz a educadora, cuja maior preocupação sempre foi fazer com que nenhuma criança ficasse fora da escola, a começar pelos próprios filhos e sobrinhos. Não pôde educar o mundo inteiro, mas fez sua parte na instrução de milhares de vidas durante meio século de lições bem dadas: do ensino antigo ao moderno; da palmatória aos métodos mais evoluídos de motivação para a aprendizagem.

Laura Araújo não é eterna, mas a obra educacional que ergueu é imortal. Seu legado é uma árvore frutífera, que continuará derramando sementes de saber por muitas gerações. Plantar uma escola é uma contribuição indiscutível para o bem social.

 
Anúncios

Publicado em 11 de janeiro de 2013, em ITAPORANGA e marcado como . Adicione o link aos favoritos. Deixe um comentário.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s