Reflexão do Domingo de Ramos 2015

“Hosana ao Filho de Davi”

Salve, Rei dos judeus

domingo-de-ramosA entrada de Jesus em Jerusalém não é simplesmente um fato de sua vida, mas é a realização da profecia de Zacarias 9,9 sobre o rei futuro: “Eis que teu rei vem a ti”, como outrora fizera Davi. O rei monta um jumentinho, não um garboso cavalo de guerra. Ele vem em paz para implantar a paz. Ele mesmo o diz: “Se neste dia também tu conhecesses a mensagem de paz”. Por não aceitar esta paz, muitos males advirão (Lc 19,42-44). Nesses próximos dias teremos os grandes acontecimentos de nossa Salvação. O Domingo de Ramos é como que uma síntese: O Ressuscitado, que aparece glorificado pelo povo, vai ser crucificado, morto e sepultado. Mas Deus O ressuscitará. A Paixão não é o fim. A cerimônia tem origem primitiva na Igreja de Jerusalém que celebrava os mistérios de Jesus, no lugar em que haviam acontecido. Essa cerimônia passou para toda a Igreja. O povo saúda Jesus: “Bendito seja o reino que vem, o reino de nosso Pai Davi! Hosana no mais alto dos céus”(Mc 11,10). É um momento de reconhecer que em Jesus o Reino, iniciado por Davi, agora chega à maturidade: abrir ao descendente prometido que manterá o reino para sempre. Deus prometera a Davi que sua família duraria para sempre. Essa profecia foi realizada em Jesus. O reino de Jesus não é mais um reino terrestre: Em seu processo de condenação à morte, Pilatos pergunta: “És o rei dos judeus?” Jesus responde: “Meu reino não é deste mundo. Se meu reino fosse deste mundo, meus súditos teriam combatido para que eu não fosse entregue aos judeus”. “Mas meu reino não é daqui” (Jo 18,32-36). O mistério da Paixão, Morte e Ressurreição de Jesus é a abertura desse novo e eterno tempo de Deus. Eterno é o reino da justiça, do amor e da paz.

Abriu-me os ouvidos

No segundo momento da liturgia de hoje está centrado na reflexão sobre a pessoa de Cristo que é o Servo profetizado por Isaias que carrega sobre si o sofrimento, a dor e a humilhação. A oração da celebração dá-nos um porquê de todo esse momento de sofrimento e dor: “… Para dar aos homens um exemplo de humildade, quiseste que o nosso Salvador se fizesse homem e morresse na cruz. Dai-nos aprender o ensinamento de sua paixão e ressuscitar com Ele em sua glória”. Quando se diz exemplo, não é só um modelo a ser seguido, mas há uma união de vida. Ele é o exemplar que devemos realizar em nós. Por isso a leitura de Isaías diz: “Ele me desperta cada manhã e me excita o ouvido para prestar atenção como discípulo”. O aprendizado não é só um conceito que aprendemos, mas uma vida que assumimos. “Se alguém quer vir após mim, negue-se a si mesmo, tome a sua cruz e siga-me” (Mc 8,34). O aprendizado une o discípulo ao Mestre para manifestá-Lo.

Esvaziou-se a si mesmo

Ouvimos a narrativa da Paixão do Senhor. Imensa é a dor, pois imenso é o amor. O amor de entrega que Cristo demonstra, “não voltando atrás” (Is 50,5), vem desde sua encarnação, como lemos na carta as Filipenses (2,6-11). Despojou-se da demonstração de sua divindade, esvaziou-Se a si mesmo, assumindo a condição de escravo tornando-Se igual aos homens. Humilhou-Se a Si mesmo, fazendo-Se obediente até à morte e morte de Cruz. Por isso Deus o exaltou. A garantia de nossa ressurreição está na certeza de nosso esvaziamento, abnegação e entrega. Assim podemos afirmar como o centurião romano: “Na verdade, este homem era o Filho de Deus”. Mesmo, sentindo-nos abandonados, temos a confiança que Jesus teve ao dizer: em vossas mãos entrego meu Espírito.

Leituras: Marcos 11,1-10;Isaías 50,4-7;Salmo 21;Filipenses 2,6-11; Marcos 11,1-39.

Homilia do Domingo de Ramos (29.03.15)

  1.  A entrada de Jesus em Jerusalém realiza uma profecia. Ele é o rei que vem como Davi, montando um jumentinho, não um cavalo de guerra. Vem trazer a paz e é recusado. A liturgia tem dois momentos: a procissão gloriosa que lembra a Ressurreição. A missa traz temática da Paixão. Aclamação do Rei é o reconhecimento da realização da promessa a Davi. Jesus se diz rei.
  2. Refletimos sobre a pessoa de Jesus que assumiu a humildade e carrega os sofrimentos do povo. Ele é o exemplo de humildade. Sua abnegação O conduz à aniquilação da morte. Ele quer que seu exemplo esteja em nós. Seu exemplo é Ele próprio. Convida identificar-se com Ele.
  3. A entrega de Cristo vem desde sua Encarnação. A carta aos Filipenses diz que Ele Se aniquilou e foi obediente até a morte e morte de cruz. A garantia de nossa ressurreição está em nossa obediência e na profissão de fé no Filho de Deus.

 

Entrando na escola

A celebração do Domingo de Ramos é como que uma síntese do Tríduo Pascal, isto é, a morte, sepultura e ressurreição de Jesus.  Apresenta a gloriosa procissão de entrada de Jesus em Jerusalém reconhecido como o Messias Rei prometido. E depois, temos a missa na qual predomina a Paixão através dos textos da opção de Jesus por ser humilde servidor e o homem das dores crucificado.

Isaías nos fala do servo de Deus que se fez discípulo aberto ao aprendizado. “Ele me desperta cada amanhã e me excita o ouvido para prestar atenção como um discípulo” (Is 50, 4). Aprende não para si, mas para dar conforto à pessoa abatida (4). Ficou firme no sofrimento na certeza de não ser humilhado.

Temos que ser discípulo sempre, por isso aprender sempre.

Pe. Luiz Carlos de Oliveira, CSsR

Anúncios

Publicado em 29 de março de 2015, em REFLEXÕES e marcado como . Adicione o link aos favoritos. Deixe um comentário.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s