Arquivo da categoria: SANTOS

08 de Dezembro – Imaculada Conceição de Maria

imaculadaFonte: http://www.paulinas.org.br/

O dogma da Imaculada Conceição de Maria é um dos dogmas mais queridos ao coração do povo cristão. Os dogmas da Igreja são as verdades que não mudam nunca, que fortalecem a fé que carregamos dentro de nós e que não renunciamos nunca.

O dogma da Imaculada Conceição de Maria é um dos dogmas mais queridos ao coração do povo cristão. Os dogmas da Igreja são as verdades que não mudam nunca, que fortalecem a fé que carregamos dentro de nós e que não renunciamos nunca.

A convicção da pureza completa da Mãe de Deus, Maria, ou seja, esse dogma, foi definida em 1854, pelo papa Pio IX, através da bula “Ineffabilis Deus”, mas antes disso a devoção popular à Imaculada Conceição de Maria já era extensa. A festa já existia no Oriente e na Itália meridional, então dominada pelos bizantinos, desde o século VII.
A festa não existia, oficialmente, no calendário da Igreja. Os estudos e discussões teológicas avançaram através dos tempos sem um consenso positivo. Quem resolveu a questão foi um frade franciscano escocês e grande doutor em teologia chamado bem-aventurado João Duns Scoto, que morreu em 1308. Na linha de pensamento de são Francisco de Assis, ele defendeu a Conceição Imaculada de Maria como início do projeto central de Deus: o nascimento do seu Filho feito homem para a redenção da humanidade.

Transcorrido mais um longo tempo, a festa acabou sendo incluída no calendário romano em 1476. Em 1570, foi confirmada e formalizada pelo papa Pio V, na publicação do novo ofício, e, finalmente, no século XVIII, o papa Clemente XI tornou-a obrigatória a toda a cristandade.

Quatro anos mais tarde, as aparições de Lourdes foram as prodigiosas confirmações dessa verdade, do dogma. De fato, Maria proclamou-se, explicitamente, com a prova de incontáveis milagres: “Eu sou a Imaculada Conceição”.

Deus quis preparar ao seu Filho uma digna habitação. No seu projeto de redenção da humanidade, manteve a Mãe de Deus, cheia de graça, ainda no ventre materno. Assim, toda a obra veio da gratuidade de Deus miseriordioso. Foi Deus que concedeu a ela o mérito de participar do seu projeto. Permitiu que nascesse de pais pecadores, mas, por preservação divina, permanecesse incontaminada.

Maria, então, foi concebida sem a mancha do orgulho e do desamor, que é o pecado original. Em vista disso, a Imaculada Conceição foi a primeira a receber a plenitude da bênção de Deus, por mérito do seu Filho, e que se manifestou na morte e na Ressurreição de Cristo, para redenção da humanidade que crê e segue seus ensinamentos.
Hoje, não comemoramos a memória de um santo, mas a solenidade mais elevada, maior e mais preciosa da Igreja: a Imaculada Conceição da Santíssima Virgem Maria, a rainha de todos os santos, a Mãe de Deus.

Anúncios

04 de outubro: Viva São Francisco de Assis !

francisco_04_10Outubro, um mês de ricas festas, entra no cativante momento de celebrar São Francisco de Assis. Ele é Padroeiro da Itália e de muitas igrejas que estão no mundo inteiro, Padroeiro de capelas, lugares, parques e jardins e Patrono  da Ecologia. Suas três Ordens alegram-se em solenes liturgias e momentos muito especiais. A Juventude Franciscana vibra. Todas as famílias religiosas, inspiradas em seu modo de vida, marcam este momento com muita criatividade celebrativa.  Por viver de bem com a vida, fez da sua morte um ritual de passagem sereno e cantante, é o seu emocionante e sereno  Trânsito.

O mundo não é indiferente ao Pobre de Assis. Ele é uma bênção na história. Humanos e animais fazem fila para serem abençoados. Está em todos os cantos, onde lembrar a vida e seus cuidados se faz necessário. Ele é onipresente em todas as feiras de artesanato, em lojas de presentes, em múltiplas imagens, canções, musicais, filmes e teatros. A humanidade o representa e o torna vivente lá onde o humano é mais humano, um humano possível, um quadro simpático do jeito de Deus reentrar na história. Francisco faz Deus tornar-se mais doméstico. Em meio aos escombros da nossa fragmentação modernosa, ele aponta uma lenta e fervorosa reconstrução.

Lá vai São Francisco reconstruindo a nossa inocência perdida; fazendo devagar um caminho passo a passo. Ele teve tempo de ser peregrino e forasteiro andando pela vida sem pressa hiperativa. Com olhar e prece contemplativa nos ensinou a louvar tudo o que existe. Lá vai São Francisco homem santo, primitivo, arcaico, fonte de inesgotáveis mananciais, um moderno que revela um futuro traçado por muitos   sonhos. Lá vai São Francisco levando oito séculos de vida original e originante. Lá vai São Francisco dizendo para nós que a história não é um amontoado de ruínas, mas que podemos erguer espaços sagrados onde habita um humano excluído e chagado.

Como os sonhados projetos deste jovem medieval valem ainda nos dias de hoje! É preciso construir casas em meio a sendas perdidas. É preciso repensar um modo de existir franciscanamente no mundo. Nós precisamos deste Poverello para nos achar em meio a labirintos consumistas. Ele nos ensinou que decisão é cisão; que grandes escolhas comportam certas rupturas. Ele permanece como uma grande provocação para ser o que temos que ser. Ele nos mostrou que o simples é inteiro, que ser santo é resgatar a nossa identidade. Ele atravessa épocas porque continua sendo uma promessa de realização humana. Por isso que vale a pena celebrá-lo neste 04 de outubro! Viva São Francisco de Assis!

Frei Vitório Mazzuco

Natividade de São João Batista

joaoA Bíblia nos diz que Isabel era prima e muito amiga de Maria, e elas tinham o costume de visitarem-se. Uma dessas ocasiões foi quando já estava grávida: “Quando Isabel ouviu a saudação de Maria, a criança lhe estremeceu no ventre, e Isabel ficou repleta do Espírito Santo” (Lc 1,41). Ainda no ventre da mãe, João faz uma reverência e reconhece a presença do Cristo Jesus. Na despedida, as primas combinam que o nascimento de João seria sinalizado com uma fogueira, para que Maria pudesse ir ajudar a prima depois do parto.

Assim os evangelistas apresentam com todo rigor a figura de João como precursor do Messias, cujo dia do nascimento é também chamado de “Aurora da Salvação”. É o único santo, além de Nossa Senhora, em que se festeja o nascimento, porque a Igreja vê nele a preanunciação do Natal de Cristo.

Ele era um filho muito desejado por seus pais, Isabel e Zacarias, ela estéril e ele mudo, ambos de estirpe sacerdotal e já com idade bem avançada. Isabel haveria de dar à luz um menino, o qual deveria receber o nome de João, que significa “Deus é propício”. Assim foi avisado Zacarias pelo anjo Gabriel.

Conforme a indicação de Lucas, Isabel estava no sexto mês de gestação de João, que foi fixado pela Igreja três meses após a Anunciação de Maria e seis meses antes do Natal de Jesus. O sobrinho da Virgem Maria foi o último profeta e o primeiro apóstolo. “É mais que profeta, disse ainda Jesus. É dele que está escrito: eis que envio o meu mensageiro à tua frente; ele preparará o teu caminho diante de ti”. Ou seja, o primo João inicia sua missão alguns anos antes de Jesus iniciar a sua própria missão terrestre. Leia o resto deste post

Dia de São José Operário

São JoséDia 01 de maio

História: O Papa Pio XII dar esse dia do trabalhador, a festa do Patrocínio de São José.

De fato, São José e o trabalhador harmonizam-se perfeitamente. Mesmo sendo Príncipe da Casa de Davi, São José era operário; e assim também, numa sociedade cristã, devem conviver pessoas de classes sociais distintas, todas colaborando entre si na prática das virtudes cristãs da justiça e da caridade.

1º de Maio é o Dia do Trabalhador e festa de São José Operário. São José, esposo de Maria, era carpinteiro.

Ao propô-lo como modelo e protetor dos operários, a Igreja quer que todos reconheçam a dignidade do trabalho e que o trabalhador seja respeitado enquanto pessoa humana e colaborador de Deus na obra da criação: Por Cristo, único Mediador, participa a humanidade da vida trinitária.

Cristo hoje, sobretudo por sua atividade pascal, nos leva a participar do mistério de Deus.

Oração de São José Operário: São José, carpinteiro de Nazaré, amigo dos pobres e fiel esposo de Maria, pedi por todos os que se empenham no trabalho espiritual, intelectual e manual. Intercedei junto a Jesus por todas as necessidades dos trabalhadores e pelos nossos governantes. Alcançai-nos, também, a graça de que tanto necessitamos (fazer o pedido). Que tenhamos a graça de imitar as vossas virtudes para chegarmos, um dia, à vivência da plenitude em Deus. Amém! São José, rogai por nós!