Arquivos do Blog

Novena de Natal – 4º Dia

Introdução

Neste quarto dia da nossa preparação para o Natal, a liturgia nos introduz a experiência de Zacarias e o anúncio do Nascimento de João Batista. É um texto que devemos considerar em relação e em contraposição à anunciação a Maria, um ajuda o outro a adquirir seu justo significado. De um lado, a atitude de dúvida e desconfiança de Zacarias; por outro, a atitude de abertura e docilidade de Maria.

Que o testemunho de Zacarias nos ajude a aprofundar a atitude que devemos ter ante o Senhor.

4º DIA

Quarto dia Leia o resto deste post

Novena de Natal – 2º Dia

Introdução

Neste segundo dia da Novena de Natal, a liturgia nos apresenta o relato da genealogia do Senhor Jesus. Um texto que, se o olharmos sem atenção, são apenas nomes que desconhecemos. Mas se descobrirmos o sentido desses nomes, o significado que tem na história de Israel, veremos que São Mateus nos situa no centro da história de Israel e nela Jesus, que nasceu da Maria Virgem.

Neste dia, aproveitemos para valorizar o que significa ter uma família, pessoas que nos deram a vida, um apelido, um lar, o carinho e o afeto.

Segundo dia

Motivação:

:: Neste segundo dia da novena de Natal, continue preparando o presépio. Depois de ter colocado a imagem de Maria Virgem, coloque a imagem de São José.

:: Que cada um faça uma oração a José e Maria, pedindo sua intercessão e sua ajuda por cada família, pedindo que nossa família tenha os mesmos sentimentos que tiveram eles. Pedir-lhes que nos preparem para o Natal.

:: Fazer algum gesto ou atitude concreta durante o dia, aproximando-se de alguma família que um sabe que há dificuldades e buscar ser vínculo de união e comunicação. Fazer o que se pode para ajudar aos que estão em dificuldades.

2º DIA

Oração Inicial

:: Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém!

Maria, Virgem Grávida, Mulher de Deus, Virgem do ‘sim’ fecundo, tu que fecundaste ao Verbo de Deus e o levaste em teu seio durante nove meses, sentindo-o palpitar e crescer dentro de ti, experimentando Sua presença e sendo transformada por Ele.

Nestes dias que antecedem o nascimento de teu Filho, nós queremos acompanhar-te; queremos estar contigo para aprender de ti a levar Deus no coração e deixarmo-nos transformar por Sua presença.

Maria, Virgem Grávida, pedimos-te que, ao acompanhar-te, sejas tu quem interceda por cada um de nós, para que possamos celebrar o Natal cheios da presença de teu Filho em nossa vida. Maria, Virgem Mãe, mulher da espera confiada, pede por nós para que, neste Natal, todos possamos ficar mais perto de seu Filho e, assim, sermos capazes de recomeçar, de perdoar e ser perdoados, de voltar a amar e ser curados interiormente, para celebrar e viver a vida de Deus em nós.

Maria, Virgem do ‘sim’ e da realização, Virgem Mãe do silêncio eloquente, ajuda-no a celebrar este Natal, tendo seu Filho centro de nossa vida. Maria, pede por nós agora e sempre.

Que assim seja.

Leitura: Mateus 1,1-17

Aprofundar o Evangelho, ter em conta o fim da genealogia e seu significado. Dê um passo a mais, não somente conhecer o que disse o texto, mas o aprofundar, buscar o sentido do que se diz, a importância e transcendência do dito. Atualizá-lo e aplicá-lo à vida.

Contemplação

É buscar apropriar-se do texto, não olhá-lo como espectador, mas ser participante da cena. Ter uma relação pessoal e direta com os personagens, usar a imaginação para conhecer e aprofundá-lo interiormente.

Oração: Senhor Jesus, Mateus Te coloca no coração de toda a revelação, situa-Te no contexto das grandes promessas que cruzam todo o Antigo Testamento. Por um lado, o fato de chamar-te Filho de Davi, para demonstrar que em Ti se cumpria todas as promessas que o Pai havia feito a Davi, como portador da promessa messiânica, por isso lhe chama de Jesus Cristo (cf. Mt 1,1) e depois diz também te chamaram o Cristo (cf. Mt 1,16) e, além, chamaram-Te Filho de Abraão (cf. Mt 1,1), colocando-Te no contexto das promessas que haviam feito a Abraão, de ser pai de um povo numeroso como as estrelas do céu e como a areia do mar. Senhor, obrigado por seres quem és. Obrigado por incluir a cada um de nós nesta dinâmica da revelação de Deus. Obrigado por nos permitir ter fé e, assim, conhecer-Te, aprender a arte de viver de acordo com o projeto do Pai e ter a vida que Tu nos dá. Obrigado, Senhor.

Senhor Jesus, Tu que foste descendente de Davi por medo de José, em Ti o Pai realizou toda a expectativa messiânica, e com isso foste Tu nosso salvador e redentor. Hoje, quando nos preparamos para celebrar Teu nascimento, pedimos que nos ajudes a valorizar o que significa Teu nascimento, a darmos conta do amor do Pai ao enviar-Te para dar-nos a vida. Senhor, que durante estes dias antes do Natal, possamos conhecer-te mais, que cada vez aprofundemos mais e mais no amor que Tu tens por nós.

Que assim seja.

Oração: Maria, Mãe minha, nestes dias que estamos buscando entrar no clima da Natal, te pedimos ajuda para que tu intercedas por nós, para que, ao celebrar o nascimento de Teu Filho, nosso Senhor, cada um de nós nos sensibilizemos mais e mais do amor do Pai por nós, da importância do que fez Jesus, dignificando nossa vida com a tua. Intercede por nós, para que, neste Natal, nos aproximemos mais de teu Filho.

Oração Final

Menino Jesus, Tu és descendente de Davi, de Abraão, o Filho de Maria Virgem; Tu tens assumido a nossa história, formando parte dela. Tu, na plenitude dos tempos, quiseste nascer de uma mulher e ser um de nós, para nos demonstrar o grande e lindo valor que é ter uma Mãe, uma família, pessoas do mesmo sangue, com quem partilhar a vida, sendo queridos e apoiados, crescendo como pessoas para termos sentimentos de unidade, carinho e afeto, de solidariedade e compreensão, imitando a Tua família.

Menino Jesus, Tu que tiveste uma família, abençoa a nossa e faz que nela os pais tenham sentimentos de entrega de amor e carinho, de interesse e sensibilidade, que se queiram e vivam um para o outro, e que os filhos sintam em todo momento o amor que Tu nos tem por meio do amor dos pais. Menino Jesus, abençoa cada família e encha-as de amor e ternura, como o tiveste Tu de tua Mãe e de José.

Que assim seja.

Nascimento de Cristo Jesus

Fonte: Capítulo V, de A vida de Cristo, Quadrante, São Paulo, 2000.
Tradução: Ruy Belo

presepioUm albergue pobre, desmantelado e cheio de teias de aranha, foi o primeiro palácio de Jesus na terra; um presépio sujo, seu primeiro berço. Mais tarde, o mundo há de venerar a gruta onde acaba de ocorrer aquele nascimento prodigioso.

Como bom administrador, Augusto tinha a paixão das estatísticas. Suetônio diz-nos que, ao morrer, deixou escrito pelo próprio punho um breviário de todo o seu Império, quer dizer, um caderno “onde figuravam os nomes dos cidadãos, as riquezas de cada uma das províncias, a lista dos aliados que deviam contribuir para engrossar os exércitos, o estado dos tributos e das rendas e o rol das somas gastas em coisas necessárias e em liberalidades”. São dados tão escrupulosos e pormenorizados que só os pôde ter obtido à força de freqüentes cadastros, inscrições e recenseamentos, e de uma burocracia rigidamente organizada.

Graças a uns papiros recentemente descobertos no Egito, conhecemos as formulas empregadas para anunciar estes recenseamentos. Um dos governadores, chamado Víbio Máximo, anunciava deste modo ao país uma daquelas medidas destinadas a apurar o censo da população: “Como vai começar a inscrição por casas, é necessário que todos os que, por qualquer razão, estiverem ausentes do lar pátrio a ele voltem para realizarem as formalidades necessárias”. Leia o resto deste post

Reflexão do Natal do Senhor

presepionatal05Noite Feliz Noite Feliz! Será que existiu uma noite mais feliz que esta em toda a história desde a criação do mundo? Certamente, Não! Nada pode ser comparado ao nascimento de Deus no meio dos homens. O Verbo se fez carne a habitou em nosso meio (Jo 1, 1-2). O Filho de Deus, consubstancial ao Pai, isto é “Deus de Deus Luz da Luz”, aniquilou-se a si mesmo, assumindo a condição de escravo e assemelhando-se aos homens”. (Fil 2,7). O menino nasceu o que foi predito pelos profetas é realizado no nascimento do menino que veio fazer novas todas as coisas, veio recapitular em si mesmo toda a história do homem, veio dar uma nova razão a vida na terra e transformar o homem na divindade do criador.

“Porque nasceu para nós um menino, foi-nos dado um filho; ele traz aos ombros a marca da realeza; o nome que lhe foi dado é: Conselheiro admirável, Deus forte, Pai dos tempos futuros, Príncipe da Paz”. Fico pensando o que se passava na mente deste hagiógrafo, o que ele estava contemplando para poder escrever com tanta propriedade e que aconteceram séculos depois como o próprio Jesus fala ao povo: pois vos digo que muitos profetas e reis desejaram ver o que vós vedes, e não o viram; e ouvir o que vós ouvis, e não o ouviram”. (Lc 10,24). Certamente que na mente dos profetas havia uma contemplação das realidades futuras sob a inspiração do Espírito Santo para que pudessem anunciar ao povo o projeto de Salvação de Deus. Leia o resto deste post